Sermig

AYLAN: Tenho três anos e estou com raiva...



"Tenho três anos, me chamo Aylan... e estou com raiva". Ernesto Olivero escreveu uma poesia cujo titulo é Aylan, o menino sírio-curdo de três anos que morreu numa praia da Turquia enquanto, com seus pais, estava fugindo da cidade síria de Kobane – afetada pela guerra e os ataques do Estado Islâmico – e estava esperando chegar à Europa...

Tenho três anos
e me chamo Aylan.
Morri afogado
junto com a minha mãe
e o meu irmão
e estou com raiva.
Um menino morto
como eu
cria uma notícia;
cem mil meninos
como eu 
criam só uma estatística.
Entretanto,
assim como eu
eles morrem a cada dia.
Por que eles não
e eu sim
na primeira página dos jornais?
Por que eles não
e eu sim
faço chorar
poderosos e chefes de Estado?
Por que eles não
e eu sim devo me tornar
um símbolo?
Tenho três anos,
me chamo Aylan
e morri
de noite,
afogado.
Por que ninguém
veio me buscar
do outro lado do mar?
Por que ninguém
veio parar
a mão assassina
que nos fez fugir?
Por que ninguém
se comoveu antes?
Tenho três anos
e me chamo Aylan.
Por que vocês falam de mim,
pequeno,
levado pelo mar
a uma praia?
Eu estou em paz,
vocês não.
Vocês falam de crianças
como eu;
como eu,
elas não querem morrer.
Querem
continuar a brincar
como eu queria
querem sonhar,
se tornar grandes
e talvez
até mesmo livres
como vocês são.
Tenho três anos,
me chamo Aylan
e não preciso
das suas lágrimas
hipócritas.
Vocês me usam
para vocês mesmos.
Levantem-se,
mexam-se!
Milhares de crianças
como eu
não querem,
como eu não queria, 
encalhar
sem vida
em uma praia.

Ernesto Olivero