Sermig

Nossa história: Anos noventa

O sonho e o trabalho contra a fome no mundo agora se completa dando mais atenção à paz. O “Arsenal da Paz”, além de acolher os pobres da cidade de Turim, torna-se centro de referência para a preparação de inúmeras missões de paz: Líbano, Somália, Iraque, Ruanda, Ex-Iugoslávia, Curdistão, Israel, Palestina... São terras onde o SERMIG se depara com as maiores tragédias do nosso tempo: “acredito na paz, porque vi a guerra.” (Ernesto Olivero, Sarajevo 1995).

Essa dimensão missionária e a amizade com Dom Luciano levam o SERMIG a cumprir outro passo decisivo na história da Fraternidade da Esperança: em 1996, pela primeira vez, três jovens consagrados deixam o Arsenal da Paz para dar vida, em São Paulo, ao "Arsenal da Esperança". O nome do grupo, “Serviço Missionário Jovens”, é agora repleto de significado.

No mesmo ano, Ernesto pede ao amigo Dom Luciano para escrever a Regra do SERMIG, que há muito tempo, por muitas vozes, vinha sendo pedida. Dom Luciano escuta Ernesto com atenção e prontamente lhe responde: “Não, a regra, é o fundador tem que escrevê-la! O Senhor lhe deu o dom desse carisma”. Em São Paulo, no dia 6 agosto 1996 (Festa da Transfiguração do Senhor), Ernesto começa a traçar as primeiras linhas dessa “regra não regra".

clicca per ingrandireO SERMIG, em colaboração com a Agência de publicidade Armando Testa, cria a Bandeira da Paz, símbolo do SERMIG - Fraternidade da Esperança e dos Arsenais.
Trata-se de uma síntese de todas as bandeiras do mundo que, juntas, acolhem e protegem a palavra PAZ, símbolo do desejo de todos os povos de superar a fome e a guerra.
A escrita PAZ, em italiano (PACE), recorda o primeiro arsenal de guerra transformado em arsenal de paz, lugar onde essa bandeira surgiu.